quinta-feira, 26 de abril de 2018

QUANTO É DOCE

O grupo de teatro A BARRACA levou à cena, há muitos anos, a peça Zé do Telhado. Nela foram incorporadas algumas canções de Zeca Afonso, editadas no álbum "Fura, fura".
Uma delas é "Quanto é doce":

https://youtu.be/9M0X4a9QCTQ

terça-feira, 17 de abril de 2018

20ª SESSÃO - 11 ABRIL 2018


Usando a metáfora do Dominó, associámos a sessão de hoje às anteriores.
Começámos por distribuir uma folha LUGAR ONDE sobre Trindade Coelho e daí partimos para o novo tema: Camilo Castelo Branco e as Memórias do Cárcere.











quinta-feira, 29 de março de 2018

Brigada Victor Jara - "Ó Menino ó" (Trás-os-Montes) do disco LP "Tambori...

19ª SESSÃO - 21 MARÇO 2018




Voltámos a falar de Trindade Coelho, lendo passagens de Os Meus Amores, acompanhadas de imagens de Mogadouro que se relacionam com os textos lidos.









"No velho casarão do convento é que era a aula. Aula de primeiras letras. A porta lá estava, com fortes pinceladas vermelhas, ao cimo da grande escadaria de pedra, tão suave que era um regá-lo subi-la. Obra de frades, os senhores calculam...
Já tinha principiado a aula quando a Helena entrou comigo pela mão. Fez-se um silêncio nas bancadas onde os rapazes mastigavam as suas lições e a sua tabuada, num ritmo cadenciado e monótono, cantarolando. E ouviu-se então a voz de Helena dizer para o Sr. Professor, um de óculos e cara rapada, falripas brancas por baixo do lenço vermelho, atado em nó sobre a testa:
- Muito bons dias. Lá de casa mandam dizer que aqui está a encomendinha.
Oh! Oh! A encomendinha era eu, que ia pela primeira vez à escola. Ali estava a encomendinha.
- Está bem, fica bem entregue. E lá em casa como vão?"

(Para a Escola - in: Os Meus Amores)




Concluímos a sessão ao som de uma cantiga tradicional de Trás-os-Montes.








terça-feira, 20 de março de 2018

18ª SESSÃO - 14 março 2018


Abordámos a obra literária de Trindade Coelho, marcada pelo tom memorialístico.
Por um lado, as saudades da infância e do mundo rústico em que foi vivida (Os Meus Amores); por outro as recordações da vida de estudante, em Coimbra (In Illo Tempore).

















Fado para um amor ausente - Luiz Marinho

quarta-feira, 7 de março de 2018

17ª SESSÃO - 7 MARÇO 2018

Tema da sessão: o primeiro modernismo em Portugal, contextualização histórica.
Imagens passadas em apoio da abordagem ao tema: